Início > TV > Carta de amor à Modern Family

Carta de amor à Modern Family

No primeiro episódio de “Modern Family”, que a FOX estreou no Brasil nesta Segunda-feira, o público é apresentado a três núcleos familiares distintos. São eles: um casal que tenta se entender com os filhos, um senhor na faixa dos sessenta anos que se casou com uma latina trinta anos mais nova que ele (e ganhou junto um enteado precoce), e dois gays – um discreto e o outro extravagante – que acabaram de adotar um bebê vietnamita. A princípio não fica delineada a conexão entre esses grupos. Só ao final do capítulo descobriremos que todos os personagens fazem parte de um único clã – a família moderna do título.

Uma das estreias mais elogiadas da temporada, “Modern Family” cativou o público de imediato, tornando-se o maior trunfo do bloco de comédias da ABC. A emissora carecia de programas cômicos em estágio bruto, visto que a rival NBC possuía os seriados mais conceituados do gênero, “The Office” e “30 Rock”. Ainda assim, não dava para prever a excelente repercussão desta aqui, mesmo tendo sido criada por dois veteranos da TV americana, os roteiristas Steven Levitan e Christopher Lloyd (não o ator). Depois de fazerem parte da equipe de “Frasier”, os dois erraram a mão com a sitcom “Back to You”, mas voltaram a se acertar nessa nova empreitada.

Souberam fazer ótimo uso, por exemplo, daquele formato de falso documentário utilizado nas comédias de Ricky Gervais – como se os personagens estivessem sendo acompanhados por câmeras 24 horas por dia. Cientes disso, eles volta e meia encaram os cinegrafistas, preenchendo os silêncios embaraçosos com olhares constrangidos. Não se trata, porém, de uma comédia da humilhação impiedosa, como é “Party Down” ou a própria “The Office”, só para citar as atuais. Algo que fica bastante evidente é o desvelo com que a série é feita. Às vezes eles se metem em situações ridículas, às vezes eles se estranham por conta de suas diferenças culturais, sexuais e intelectuais; mas nunca deixam de se importar um com o outro. Esse senso de união é explícito no encerramento dos episódios, que fecham com uma narração em off, mais sentimental e menos escrachada, onde tudo o que é dito se encaixa lindamente com os vínculos de afeto estabelecidos entre os personagens.

O elenco de “Modern Family” é um capítulo à parte. Cada ator se assenta tão bem no seu papel que fica difícil ou mesmo impossível imaginar outro intérprete na mesma função. Não à toa, foram indicados em conjunto ao SAG, o Prêmio do Sindicato dos Atores, como Melhor Elenco em Série Cômica (aliás, “Modern Family” também descolou indicação ao Globo de Ouro, e deixa grandes expectativas para seu desempenho no próximo Emmy). O veterano Ed O’Neill pode ter ficado eternizado como o pai de família Al Bundy em “Married with Children” – mas segundo ele mesmo, “Modern Family” é o trabalho do qual mais se orgulhou de fazer parte em toda a carreira. Como o sessentão que se casa com a latina da metade de sua idade (a impagável Sofia Vergara), ele contracena com crianças talentosas (como o garotinho que faz seu enteado, ou aqueles que interpretam os netos) e com atores maduros que nunca tinham marcado antes (caso de Eric Stonestreet, que rouba a cena como o gay escandaloso Cameron, e Ty Burrell, perfeito como o sujeito que faz de tudo para agradar a todos).

O mais bacana em “Modern Family” é justamente isso: todos tem a chance de brilhar. Todos serão aproveitados, todos terão um momento só seu, todos terão oportunidade de contracenar uns com os outros. Por isso é complicado escolher qual dos enredos é mais atraente: os três se emparelham no nível de qualidade, em termos de texto e atuação. Também é notável que o roteiro não caia em repetições, apesar das tramas girarem com frequência em torno de detalhes da personalidade de cada um (a exuberância da latina, os exageros do gay, a carência do esposo dedicado etc). É bastante significativo, ainda, que uma série que inverte os valores da família americana tenha sido tão bem acolhida por lá. Nada em “Modern Family” corresponde à imagem da família tradicional e imaculada que o país insiste em defender – mas as questões, tratadas com imenso cuidado e bom gosto, tornam-se digeríveis pela abordagem, e permitem que o apelo da série se mantenha familiar. Um sinal claro de que as mudanças estão chegando, e a diversidade, finalmente sendo reconhecida e celebrada.

Categorias:TV
  1. 4 maio 2010 às 10:11 pm

    Acompanhei ontem a estreia desse programa pela FOX e AMEI! Adorei mesmo! O formato de documentário torna a trama interessante e achei o elenco um show à parte, especialmente Sofia Vergara (pena que a dublagem não me permite conferir o sotaque dela, que todo mundo comenta), Ty Burrell e Eric Stonestreet! Beijo!

    • 5 maio 2010 às 4:06 am

      Ka, tinha certeza que vc ia adorar! Se fosse você, começaria a baixar pra ver tudo em áudio original. Garanto que fica melhor ainda, até mesmo pelo sotaque da Sofia! Beijo.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: