Início > Cinema > Filmes da Mostra #14: O Dia da Transa

Filmes da Mostra #14: O Dia da Transa

O cinema atual está produzindo uma safra imensa de “bromances” – ou seja, histórias de amor entre dois homens que não são gays, mas que tem um vínculo tão forte entre si que até mesmo suas esposas tem ciúmes da relação. Diz se você não vê desses casos diariamente nos lares brasileiros: os homens passam no bar à tardezinha para encontrar os amigos, ou deixam a família nos finais de semana para assistir futebol com os marmanjos. Então: todos eles, apesar de não admitirem nem por decreto, se amam genuinamente. Um exemplo recente de “bromance” é “Eu Te Amo, Cara”, com Paul Rudd e Jason Segel, onde a necessidade dos amigos de ficar juntos era tão grande que o noivado do primeiro ficou ameaçado.

hump

Mas surgiu também, no circuito independente americano, “O Dia da Transa”, filme em que a relação entre os dois protagonistas vai além da amizade doentia. Eles tem tanta intimidade que cogitam fazer sexo na frente das câmeras, para inscrever o vídeo num festival de pornô amador! Só que para executar a brilhante ideia, originada à base de muita bebedeira e maconha, um deles vai ter que lidar com a mulher, que é cabeça fechada e não exatamente fã do amigo – por sua vez, um solteiro irresponsável que não tem onde cair morto.

Escrito e dirigido por Lynn Shelton, que recebeu uma menção no Spirit Award deste ano e que interpreta aqui a lésbica liberal, o filme foi ainda premiado em Sundance com uma distinção especial do Júri. Apesar das situações serem pra lá de forçadas, não dá para dizer que não tenha o coração no lugar. Shelton sabe alternar momentos realmente hilários com outros mais sérios e intimistas. Melhor ainda: ela não subestima nenhum de seus personagens, e talvez por isso as interpretações de Mark Duplass e Joshua Leonard, que assumem com candura os papeis principais, sejam tão gostosas de assistir. Filme bacana para os machões verem com seus “miguxos”.

.:. O Dia da Transa (Humpday, 2009, dirigido por Lynn Shelton). Cotação: B-

Anúncios
Categorias:Cinema
  1. 30 outubro 2009 às 3:11 am

    Tinha lido sobre ele no Rotten Tomatoes… parece interessante.

  2. 30 outubro 2009 às 10:42 pm

    Finalmente eu entendi o que é a expressão “bromance”. Obrigada, Louis!!! 🙂

    Beijo e bom feriadão!!!

    • 31 outubro 2009 às 2:23 am

      Wally, não é uma maravilha, mas tem seus pontos positivos sim!

      Ka, por nada!! 🙂 Adoro um bromance rsrs… Beijo e bom feriado pra vc tb! o/

  3. 31 outubro 2009 às 6:25 pm

    Deve ser legal esse. ^^
    =*

  4. 31 outubro 2009 às 11:01 pm

    olha só! interessei-me.
    vc chegou a resenhar o ‘eu te amo, cara’? eu cheguei a procurar mas acho q não encontrei. como eu amei esse filme.

    • 1 novembro 2009 às 12:59 am

      Quéroul, que bom que despertei seu interesse porque o filme é mesmo bacanérrimo! Quanto a “Eu Te Amo, Cara”, acho que tenho um texto escrito sobre ele perdido em alguma pasta do meu computador rsrsrs… Comecei pra valer o blog depois que tinha estreado nos cinemas brasileiros, então acabou não entrando aqui. Mas assim como você, gostei MUITO!

  5. Marcinho
    5 novembro 2009 às 4:34 pm

    é hj no MIS, as 19:10h, vambora !!!!

  6. 12 novembro 2009 às 10:36 pm

    Acabei de assistir… achei muito bom… as três atuações estão ótimas, em especial a da esposa-que-não-sei-o-nome-da-atriz-mas-adorei… tem cenas realmente muito bonitas e sinceras… ok, que de modo geral a idéia de fazer um porno como uma obra de arte é forçada, mas fora isso não achei as “situações” em si forçadas… mas mesmo a idéia tem lá seu fundamento… primeiro por surgir de uma bebedeira, e depois só é levada em frente, por medo de um admitir a fraqueza em frente ao outro, tanto que no final não rola (ops, spoiler), quando eles percebem o quão estúpida é a idéia de 2 caras forçando um transa, sem motivo algum. Realmente achei um filme muito bom, honesto, e com emoções verdadeiras (algo que não se ve todo dia).

    • 13 novembro 2009 às 12:27 am

      Concordo, Régis. O filme é bastante honesto e intimista. Só achei forçado pq a “brilhante” ideia (homens héteros transando) não é revolucionária como eles dizem (tem milhares de sites pornôs famosos por isso, por mostrar sexo entre homens que não são gays).

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: