Início > Cinema > A volta de Rui e Vani

A volta de Rui e Vani

No meu texto sobre “Se Beber, Não Case” comentei o quanto eram pejorativas as cenas que envolviam violência como alívio cômico. O que dizer então de “Os Normais 2 – A Noite Mais Maluca de Todas”, que apela para esse recurso, numa mescla de pastelão e grand guignol, pelo menos meia dúzia de vezes? É um humor de péssimo gosto, que só faria sentido dentro de desenho animado, onde é aceitável que os personagens levem bordoadas, se estabaquem ou caiam de alturas homéricas e se achatem feito panqueca (não que isso aconteça no filme, mas o nível de irrealidade é próximo). São, enfim, opções pra lá de discutíveis que prejudicam essa continuação da série da Globo (inclusive o escopo é de “produzido pra TV”, com muitas cenas em estúdio, e metragem curta – 75 minutos – que evidencia que foi filmado às pressas). Tem só um ou outro momento externo numa praia carioca, aliás muito bem fotografada.

normais

Sou fã do seriado original, a ponto de ter em DVD todos os episódios exibidos entre 2001 e 2003. Excetuando-se algumas apelações desnecessárias, o texto do casal Alexandre Machado e Fernanda Young era inteligente, divertido, até inovador no formato narrativo. Eles criaram os aloprados Rui e Vani – noivos há uma eternidade, sem planos de subir ao altar -, que se metiam nas situações mais absurdas tentando apimentar sua vida sexual (as desventuras costumavam envolver mal-entendidos e trocadilhos). O maior barato é que ambos estavam cientes de que faziam parte de um programa de TV, e vira e mexe se voltavam para a câmera e compartilhavam seus devaneios diretamente com o espectador! José Alvarenga Jr. dirigiu todos os capítulos, com núcleo de Guel Arraes. E os atores não poderiam ter sido melhor escolhidos: Luiz Fernando Guimarães, um comediante nato, e Fernanda Torres, a versátil filha de Fernanda Montenegro (tão talentosa que jamais se manteve sob a sombra da mãe), foram a solução ideal. Eles não só tem intimidade com o gênero, como também possuem uma identificação empática um com o outro. E são, como era de se esperar, o maior destaque dessa fita mediana e irregular (também eram os pontos altos do primeiro volume de “Os Normais” para os cinemas, lançado em 2004 – filme este que se propunha a ser um “prequel”, mostrando como Rui e Vani se conheceram).

Dessa vez eles estão comemorando treze anos de noivado, e pela primeira vez desde que se tem notícia estão desmotivados a fazer sexo! Ao constatar o gráfico decrescente do número de transas da relação, Vani (que, como é de praxe, ofusca o parceiro) concorda em fazer um ménage à trois, ou seja, sexo à três. E os dois partem à procura de uma moça para se juntar a eles na cama. As “candidatas” vão de uma prima (Drica Moraes) até uma prostituta (Aline Moraes), passando ainda por uma campeã de kickboxing (Daniele Suzuki) e por uma tarada ainda mais biruta que eles (Claudia Raia). Não chega a ser uma perda total (várias piadas funcionam, ainda que mais pelo virtuosismo da dupla central do que por méritos do roteiro). Mas também conseguem baixar o nível sem pisar no freio. O resultado é decepcionante, por vezes incômodo e nem sempre engraçado. Tão inferior à série que quase chega ao ponto de apagar as boas lembranças para deixar apenas uma má impressão.

.:. Os Normais 2 – A Noite Mais Maluca de Todas (Nacional, 2009, dirigido por José Alvarenga Jr.) Cotação: C-

Anúncios
Categorias:Cinema
  1. Caroline®
    6 setembro 2009 às 3:20 pm

    Eu te disse, né, Louis? Aquela piada do bicho-preguiça me revoltou! Quase fui embora depois daquilo…

    • 6 setembro 2009 às 3:36 pm

      Caroline, aquela piada é grotesca!!! Simplesmente ridícula, das mais vergonhosas que já vi em toda a minha vida. O filme vai oscilando entre algumas piadas eficientes e outras constrangedoras, e se o saldo é ligeiramente positivo é graças a Luiz Fernando Guimarães e principalmente Fernanda Torres!

  2. markhewes
    6 setembro 2009 às 7:18 pm

    Louis você escreveu o que eu escrevia. Fiquei decepcionado, só consegui rir bastante com a maluca (Claudia Raia) dançando no apartamento, mas achei que eles forçaram com cenas de violência e com piadas sem graça. A série foi muito mais inteligente que isso, por um momento pensei que a série não fosse e que só agora eu havia percebido, mas você é outro que reconhece que a série foi muito mais que isso.

  3. 6 setembro 2009 às 8:49 pm

    A piada do bicho-preguiça realmente foi PODRE! Fora aquela cena desnecessária do barato da Vani no hospital. O filme acaba valendo mesmo pela dupla Luiz Fernando Guimarães e Fernanda Torres. Beijo!

  4. 6 setembro 2009 às 8:53 pm

    Nossa! Vou demorar um pouco pra conferir este ainda!

    • 6 setembro 2009 às 9:30 pm

      Mark, a série era muito mais inspirada que os dois filmes. Mas mesmo se tivessem mantido o nível, não sei se teria dado certo. TV é diferente de cinema. Uma adaptação brasileira que deu certo foi O Castelo Rá-Tim-Bum, justamente porque o Cao Hamburger entendeu as diferenças entre as duas mídias e fez as adaptações necessárias, com uma trama limpa, fresca e que em nada lembrava um episódio esticado!

      Ka, de acordo. A dupla central (mais ela do que ele) carrega o filme nas costas!

      Cleber, não tenha pressa. Aliás, acho que o filme vai ficar melhor em DVD, visto direto na TV.

  5. markhewes
    6 setembro 2009 às 11:58 pm

    Louis, você tem toda razão, estava assistindo os últimos episódios da série Sex and the City e senti coisas que não senti no filme, eu ri de verdade, eu me emocionei e no filme só senti que estava assistindo a um episódio mediano esticado.

    • 7 setembro 2009 às 12:47 am

      Mark, como diz um amigo meu, o filme de Sex and the City não é um episódio esticado, mas uma temporada inteira comprimida. Não funciona no cinema e por isso é mesmo irregular!

  6. markhewes
    8 setembro 2009 às 4:49 pm

    Nossa, abriu meus olhos, não é um episódio mesmo esticado, mas sim uma temporada, haha. O que mais me encomodou foi aquele vai-e-vem do Big com a Carrie.

    • 8 setembro 2009 às 5:45 pm

      Assim como nos tempos da série, Carrie foi a mais irritante do quarteto. E dessa vez ainda se juntou a ela a canastrona Jennifer Hudson!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: