Início > Cinema > Em DVD: O Menino do Pijama Listrado

Em DVD: O Menino do Pijama Listrado

“O Menino do Pijama Listrado” foi uma das melhores descobertas literárias que fiz em 2007. Comprei o romance de John Boyne no aeroporto, interessado na descrição da contra-capa (ou na falta dela, já que tudo o que informava era que aquela era a história de um garoto de oito anos, mas que o livro não era recomendado para crianças dessa idade). Devorei tudo numa sentada, e quando o avião aterrisou, lá estava eu, atordoado, como se tivesse levado uma tijolada na testa – e este incômodo que a obra oferece (como toda boa obra o faz) está presente na adaptação cinematográfica dirigida e roteirizada por Mark Herman (do bom e diferente “Laura – A Voz de Uma Estrela”). Ele é muito feliz nas passagens que escolhe para comprimir ou para dar maior destaque, e a tarefa não é fácil: “O Menino do Pijama Listrado” se propõe a mostrar o nazismo da perspectiva de uma criança (no livro, a descoberta do tema fica por conta do leitor; no cinema é mais difícil manter essa surpresa, uma vez que já no primeiro instante somos contextualizados à época e período).

stripedpjs

A trama não é lá tão inédita, mas muito envolvente: Bruno (Asa Butterfield, um menino lindo e muito bem escolhido) deixa Berlim com os pais e a irmã. Vai morar ao lado do campo de extermínio de Auschwitz, pelo qual o pai (David Thewlis) é responsável (mas a mãe, interpretada por Vera Farmiga, tem boa índole e não sabe o que se passa por lá – aliás este é o único ponto condenável do filme: insinuar que nenhum alemão, nem mesmo a esposa do chefe de Auschwitz, tinha noção de que judeus estavam sendo mortos). De qualquer forma, Bruno, que é muito curioso, vai explorando a propriedade até se deparar com a cerca do campo, e com um menininho careca e desnutrido sentado do lado de dentro. Como Bruno não fazia ideia do que era o nazismo (pelo contrário, pensava que Auschwitz era uma grande fazenda), ele supôs que os uniformes que os judeus eram forçados a usar nada mais eram do que pijamas listrados (daí o título). O menino do pijama listrado se apresenta como Schmuel (outro garotinho ótimo chamado Jack Scanlon), e entre as duas crianças vai nascer uma amizade que desafia qualquer Guerra ou doutrina.

Os fãs do livro não terão motivos para reclamar: todo o essencial está aqui, transposto com cuidado e respeito por Herman. O diretor parece estar ciente de que cinema e literatura são meios extremamente diferentes, que os filmes são mais realistas e que não aceitam soluções muito simbólicas ou alegóricas (foi o que comprometeu, por exemplo, “Ensaio Sobre a Cegueira”, do Fernando Meirelles). Com um conceito muito claro do que estava fazendo, Mark dispensou a narração em off (seja em primeira, seja em terceira pessoa), mas ainda assim deu conta de que o público entendesse o raciocínio do protagonista; dá tempo para que todos compreendam a armadilha em que Bruno se encontra, para depois testemunharem uma série de eventos que guiam para uma tragédia, sem poder fazer nada para evitá-la. Vale conhecer esta produção inglesa muito bem feita que faz um retrato duro, cruel e importante da infância – com força e impacto há muito não vistos numa fita do gênero.

.:. O Menino do Pijama Listrado (The Boy in the Striped Pyjamas, 2008, dirigido por Mark Herman). Cotação: B+

Anúncios
Categorias:Cinema
  1. 24 junho 2009 às 3:09 am

    Todo mundo fala tão bem desse filme que até agora não sei exatamente porque ainda não o conferi – talvez o tema em si, que para mim já foi exaustivamente retratado no cinema.

    • 24 junho 2009 às 4:05 am

      Vinicius, pois esse filme foge da redundância dos outros longas sobre o Holocausto. Não é o primeiro a retratá-lo sob o ponto de vista de uma criança, mas com certeza faz isso com distinção e competência. Não perca!

  2. 24 junho 2009 às 5:12 am

    Também gostei bastante de “O Menino do Pijama Listrado”.
    Muito chocante e muito bem realizado. Atuações infantis de primeira linha.
    Aguardo a adaptação agora de “A Menina que roubava livros”, que também fala da Segunda Guerra Mundial e o sofrimento dos Judeus nessa época.

  3. 24 junho 2009 às 6:43 am

    Belo filme. Triste demais, mas muito bonito. Admirei bastante.

    • 24 junho 2009 às 6:59 am

      Ibertson, li A Menina Que Roubava Livros e sinceramente não gostei. Acho que a ideia principal, da Morte narrar a história da garota abandonada, foi muito mal aproveitada. Não me causou um décimo da boa impressão que tive ao ler O Menino do Pijama Listrado, mas nada impede que o filme seja melhor!

      Wally, e bota triste nisso! No tom certo para uma história forte, impossível de ficar alheio.

  4. Aline Fernandes
    23 setembro 2009 às 2:59 pm

    Nossa eu sou louca pra ler e assistir a esta história, mas não encontro pra comprar em nenhum lugar, alguém tem uma dica para mim??eu moro em guarulhos, quem souber onde compro só me mandar um e-mail line.fernandes11@hotmail.com, obrigada

    • 23 setembro 2009 às 6:05 pm

      Aline, acho que o DVD foi lançado apenas para locação (ou seja, distribuído apenas nas locadoras). A versão para venda deve ser mais completa e cheia de extras. De qualquer forma, fique atenta nos catálogos da Fnac, que tem tudo que é DVD lançado no país!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: