Início > Cinema > O arrebatador Santos e Demônios

O arrebatador Santos e Demônios

santosedemonios

Este “Santos e Demônios” não tem nada a ver com o “Anjos e Demônios”, blockbuster do Ron Howard que está super acontecendo nos cinemas mundiais. É uma produção independente de 2006 que pouca gente viu (eu mesmo só a descobri recentemente), dirigida e roteirizada pelo estreante Dito Montiel a partir de seu livro auto-biográfico. Ele reuniu um elenco de grandes talentos para contar a história da sua adolescência difícil em Astoria, no estado de Nova Iorque. Dito foi amadurecendo convencido de que era protegido pelos santos, à medida em que via de perto a morte e a perdição de amigos muito próximos, vítimas das drogas ou da violência. O livro honônimo – que tem o título original “A Guide to Recognizing Your Saints” – parece se encerrar com Montiel morando em Los Angeles, há milhares de quilômetros do seu passado, sem nunca encará-lo. O filme, por sua vez, vai adaptar o que está no livro e depois complementar a escrita com o retorno de Dito à Astoria, adulto e já como um autor publicado (Shia LaBeouf, que o interpreta na primeira fase, é substituído por Robert Downey Jr). Ele vai encontrar os pais que não via há anos (Dianne Wiest e Chazz Palminteri), a ex-namorada latina (Melonie Diaz na primeira fase, Rosario Dawson na segunda) e o melhor amigo que agora cumpre pena numa penitenciária estadual (interpretado pelo notável Channing Tatum e numa ponta, ao final, por Eric Roberts, irmão de Julia).

Ou seja, “Santos e Demônios” surge como um projeto muito pessoal e particular. Fico imaginando a dificuldade, a emoção e a excitação de recriar os momentos mais complicados de sua vida, mas o trabalho de Montiel nunca é menos que sólido. Nessa simulação de si mesmo, ele não oscila e nunca tenta esconder os problemas mais íntimos (como a relação distante com o pai, para a qual o filme não procura soluções e não bota um ponto final, assim como acontece na vida real). Montiel demonstra, ainda, uma habilidade com a câmera que muita cobra criada de Hollywood não tem e nunca terá (algumas cenas possuem sacadas ótimas e enorme plasticidade, como aquela em que o pai tem um enfarte e vamos acompanhando, em flashs e com o som em off, o desespero e a correria de Dito e Antonio ao chamar a ambulância). Mas para mim quem causa a impressão mais forte é o elenco: fantástico, para dizer o mínimo. Algumas das atuações mais preciosas de 2006 estão aqui – o que justifica o prêmio especial em Sundance e as indicações ao Independent Spirit Award (Ator Coadjuvante para Tatum, Atriz Coadjuvante para Diaz, e mais uma menção à Montiel na categoria Melhor Primeiro Roteiro). Obviamente, recomendo com entusiasmo esse olhar sem concessões e muito acurado sobre pessoas comuns e suas experiências de vida, que de um jeito ou de outro, reflete um pouco de cada um de nós.

.:. Santos e Demônios (A Guide to Recognizing Your Saints, 2006, dirigido por Dito Montiel)Cotação: A-

Anúncios
Categorias:Cinema
  1. 23 maio 2009 às 5:43 pm

    tenho excelentes referências desse filme, Louis. pena q a cópia que tinha naonde trabalho tenha estragado (minha chefe não comprou outra).
    abraço 🙂

  2. Vinícius P.
    23 maio 2009 às 6:23 pm

    O que mais chamou minha atenção nesse filme foi a atuação do Downey Jr., num desempenho que mostrou o que estava por vir em sua carreira. Sem falar que foi ótimo ver o Shia LaBeouf antes da fama, já que hoje ele já não consegue entregar desempenhos tão notáveis…

    • 23 maio 2009 às 8:07 pm

      Jeniss, procure em outro lugar porque todos os elogios que você ouviu são corretos! Abraço! 🙂

      Vinícius, foi mesmo um grande desempenho do Robert – que muitos anos antes, já tinha ganhado a carreira com a grande interpretação em Chaplin. Depois disso passou por uma série de problemas e creio que esse Santos e Demônios foi sua prova definitiva de talento depois disso. E você está certíssimo sobre o Shia!

  3. 23 maio 2009 às 8:26 pm

    Já li várias críticas boa sobre este longa, mas ainda não tive a oportunidade de assistir.

    Abraço

  4. 23 maio 2009 às 11:55 pm

    Já passei por esse filme, diversas vezes, mas nunca quis pega-lo, tá anotada a superdica!

    • 24 maio 2009 às 3:11 am

      Hugo, então coloque na fila dos filmes a ver! Abraço.

      Cleber, também tinha passado várias vezes por ele antes de tirá-lo da prateleira. Não me arrependo de ter dado uma chance!

  5. 24 maio 2009 às 6:48 pm

    Esse filme é muito bom! Gostei muito. Também fiquei imaginando para o escritor (e roteirista) o que era recriar aqueles momentos da sua vida.

    • 24 maio 2009 às 6:58 pm

      Ciro, sendo eu mesmo escritor, sei bem das dificuldades de “chupar” situações reais e incorporá-las ao texto. Aplaudo de pé Dito Montiel pelo excelente resultado!

  6. 25 maio 2009 às 7:45 am

    Adorei o filme também. É dirigido muito bem e atuado com bastante força, especialmente por Downey Jr. e Shia.

    • 25 maio 2009 às 8:27 pm

      Wally, já a mim, os membros do elenco que mais marcaram foram Channing Tatum e Chazz Palminteri! Mas todos, sem exceção, estão excelentes!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: